síndrome de usher

Glaucoma infantil: sintomas, tratamentos e como cuidar de crianças com glaucoma

0
(0)

O glaucoma é uma doença ocular que ocorre devido ao aumento da pressão intraocular e pode levar à cegueira. Apesar de ocorrer majoritariamente em adultos mais velhos, é possível que ocorra glaucoma em crianças.

Assim, como esse é o mês de Maio Verde, ou seja, o mês de combate ao glaucoma, nós desenvolvemos este conteúdo especial para te mostrar um pouco sobre o glaucoma infantil. Por isso, vamos mostrar aqui os sintomas, como é feito o diagnóstico e quais são os possíveis tratamentos para o glaucoma em crianças.

Então, continue lendo para saber mais e descubra como cuidar de crianças com glaucoma infantil!

Glaucoma infantil primário congênito

O glaucoma primário congênito não só é o tipo mais comum de glaucoma em crianças, como também representa de 50 a 70 por cento dos casos de glaucoma infantil.

O diagnóstico precoce é fundamental porque o glaucoma primário congênito pode ser agressivo e as crianças podem perder a visão rapidamente. Por isso, a condição é identificada desde o nascimento até a primeira infância.

No glaucoma primário congênito infantil, os sintomas mais comuns são: 

  • Lacrimejamento excessivo;
  • Lacrimejamento acompanhado de secreção;
  • Sensibilidade à luz;
  • Uma córnea grande e turva.

Além disso, há o glaucoma infantil secundário. Continue lendo para saber mais!

Glaucoma infantil secundário

A cirurgia precoce de catarata está associada a melhores resultados visuais. Porém, é o procedimento com maior risco de desenvolvimento de glaucoma. Este tipo de glaucoma é conhecido como secundário e é a segunda forma mais comum de glaucoma em crianças.

O glaucoma infantil secundário é geralmente de ângulo aberto e pode ocorrer imediatamente ou anos após a cirurgia. 

Além disso, a hereditariedade é outra condição que pode causar o glaucoma infantil secundário. Por exemplo, a neurofibromatose e a aniridia são herdadas de forma predominante e são transmitidas aos filhos de indivíduos afetados em aproximadamente 50% das vezes. Porém, a incidência de glaucoma que ocorre em associação com essas condições é menos previsível.

Mas, há ainda um outro tipo grave de glaucoma que é o glaucoma juvenil de ângulo aberto. Saiba mais a seguir!

Glaucoma juvenil de ângulo aberto

O tipo final de glaucoma infantil conhecido como glaucoma juvenil de ângulo aberto. É diagnosticado dos 4 aos 35 anos e é responsável por 0,2% dos casos de glaucomas.

Neste caso, os fatores de risco para o glaucoma juvenil de ângulo aberto incluem:

  • Hipertensão ocular (frequentemente acima de 40 mm Hg);
  • Miopia (pode ser significativa e progressiva a partir do alongamento axial);
  • Histórico familiar de glaucoma.

E você, sabe quais são os sintomas de glaucoma infantil? Descubra a seguir!

Sintomas de glaucoma infantil

Bebês e crianças pequenas com glaucoma geralmente passam por uma avaliação oftalmológica. Isso acontece porque o pediatra ou os pais notaram algo incomum na aparência dos olhos ou no comportamento do paciente. 

Porém, frequentemente, a opacificação e/ou alargamento da córnea são os fatores que sinalizam o glaucoma no bebê. Ainda, em outras ocasiões, o glaucoma infantil pode se manifestar como um ou mais dos achados da tríade clássica: epífora, fotofobia e blefaroespasmo. 

Nesses casos, a fotofobia e epífora resultam de edema da córnea. Então, pode-se observar que o bebê se retira da luz ou enterra a cabeça contra os pais ou contra a cama para evitar a exposição à luz. Mesmo dentro de casa, o bebê pode mostrar uma aparente relutância em olhar para cima e pode ser erroneamente considerado tímido. 

Além disso, o blefaroespasmo pode ser outra manifestação de fotofobia, frequentemente acompanhando a epífora, mas sem a secreção mucóide tão frequentemente observada na obstrução congênita do ducto nasolacrimal.

Mas, afinal, será que o glaucoma infantil é comum? Saiba mais a seguir!

O glaucoma em crianças é comum?

De forma direta, o glaucoma em crianças é relativamente raro. O glaucoma infantil congênito primário, por exemplo, ocorre na população em geral a uma taxa de aproximadamente 1 em cada 10.000 nascimentos. 

No entanto, se uma criança for submetida à cirurgia de catarata ou a uma das outras condições listadas anteriormente, a incidência de glaucoma será muito maior. Por exemplo, 50% dos pacientes com aniridia podem desenvolver glaucoma durante a vida.

Agora, descubra se o glaucoma em crianças é hereditário!

O glaucoma infantil é hereditário?

Apenas alguns tipos de glaucoma infantil são hereditários. No caso do glaucoma congênito infantil primário, cerca de 10% dos casos são herdados. 

Contudo, outras condições que causam glaucoma secundário podem ser hereditárias. Por exemplo, a neurofibromatose e a aniridia são herdadas de forma predominante e são transmitidas aos filhos de indivíduos afetados em aproximadamente 50% das vezes. No entanto, a incidência de glaucoma que ocorre em associação com essas condições, é menos previsível.

Mas, como diagnosticar o glaucoma em crianças? Veja a seguir!

Diagnosticando glaucoma infantil

Existem vários componentes do exame que ajudam o oftalmologista a determinar a natureza e a extensão do glaucoma. Assim, dependendo da idade e da cooperação da criança, alguns ou todos esses componentes podem ser melhor avaliados enquanto a criança está sob anestesia. 

O médico deverá avaliar:

 O diâmetro da córnea da pressão intraocular (para tamanho aumentado);

  • A clareza da córnea (para turvação e/ou estrias, quebras na superfície posterior da córnea);
  • A espessura da córnea (que pode potencialmente alterar a precisão das medições de pressão); 
  • O ângulo de drenagem do olho (usando uma técnica chamada gonioscopia);
  • O comprimento axial (para alongamento do olho causado pelo aumento da pressão); 
  • Erro de refração (para miopia, também causado pelo alongamento); 
  • O  nervo óptico (para escavação anormal indicativo de dano ao nervo óptico). 

Além disso, crianças mais velhas podem também participar de um teste diagnóstico de campo visual para avaliar a visão periférica. Isso deverá ajudar a determinar se houve dano significativo ao nervo óptico. 

Ainda, exames de imagem adicionais, como tomografia de coerência óptica (TCO), um teste que procura afinamento das fibras nervosas reais, pode ser útil para detectar mudanças mais sutis na progressão da doença.

Continue lendo e veja quais são os tratamentos para o glaucoma infantil!

Tratamentos para glaucoma em crianças

Os medicamentos usados ​​para tratar o glaucoma infantil são semelhantes aos usados ​​para os adultos, mas com algumas diferenças. Veja: 

  • A brimonidina (Alphagan P, Allergan), que atravessa a barreira hematoencefálica, por exemplo, é absolutamente contra-indicada em bebês e crianças pequenas devido à toxicidade do sistema nervoso central. E, além de não ter demonstrado resultado efetivo com relação à pressão intraocular, este medicamento deve até ser usado com cautela em crianças mais velhas;
  • Os bloqueadores beta costumam ser o tratamento de primeira linha e mostram uma redução de 20 a 30 por cento na pressão intraocular; 
  • O betaxolol seletivo (Betoptic-S, Alcon) deve ser considerado em crianças com asma ou outras doenças respiratórias; 
  • Os inibidores da anidrase carbônica tópicos são mais seguros (contra indicados se forem claros o transplante de córnea). Porém, não são tão eficazes quanto os  inibidores da anidrase carbônica orais (contra indicados em bebês devido ao risco de acidose metabólica). Além disso, eles são geralmente reservados para uso a curto prazo para ajudar a limpar a córnea antes da cirurgia de glaucoma congênito primário;
  • Os análogos da prostaglandina, considerados tratamento de primeira linha em adultos, também são bem tolerados em crianças, mas não tão eficazes. O maior efeito é observado em crianças mais velhas com diagnóstico de glaucoma juvenil de ângulo aberto, que o usam como monoterapia;

Saiba mais sobre os medicamentos para glaucoma em crianças a seguir!

Crianças e os medicamentos para glaucoma

Cerca de 20% ou mais das crianças tratadas com esteróides demonstraram desenvolver glaucoma. Este glaucoma pode ser mais grave, com um início mais precoce e com a progressão mais rápida em comparação com os adultos. 

Além disso, a resposta ao esteróide pode não ser reversível e o paciente pode ser assintomático.

Muitas condições oculares na infância podem ser tratadas com esteróides tópicos, por exemplo: uveíte, blefaroconjuntivite e ceratoconjuntivite primaveril. Porém, os esteróides causam aumento da pressão intraocular, aumentando a resistência nas vias de saída. 

Neste contexto, os esteróides tópicos são a causa mais comum de resposta a esteróides ou glaucoma em crianças e, desses, os que têm menor efeito na pressão intraocular são:

  • Fluorometolona (FML, Allergan);
  • Loteprednol (Lotemax, Alrex; Bausch + Lomb);
  • Rimexolone (Vexol, Alcon);
  • Medrisona (HMS, Allergan);
  • Ciclosporina tópica (Restasis, Allergan; Cequa, Sun Pharma).

Agora, continue lendo para saber sobre os exames oculares em crianças!

Exames oculares em crianças

Ao levar a criança ao médico, o oftalmologista pediatra deverá fazer um exame completo dos olhos do seu filho. Neste momento, se a criança se sentir confortável e puder cooperar, os testes podem ser realizados no consultório

Exames oculares que realizados em crianças, são por exemplo:

  • Tonometria;
  • Tomografia de Coerência Ótica;
  • Perimetria (teste de campo visual);
  • Gonioscopia;
  • Ultrassom.

Então continue lendo e descubra quais cuidados são necessários para uma criança com glaucoma!

Cuidando de crianças com glaucoma infantil

Cuidar de crianças com glaucoma geralmente requer um esforço de equipe de longo prazo envolvendo oftalmologistas, pediatras, educadores com visão subnormal, assistentes sociais e outros terapeutas. Isso porque o glaucoma em crianças pode afetar outras partes do olho e causar perda de visão por ambliopia, cicatrizes na córnea e estrabismo. 

Então, é importante procurar por profissionais especializados e serviços de apoio ao paciente e à família. Se possível, lugares com materiais e programas educacionais, um programa de reabilitação para visão subnormal e assistentes sociais dedicados a ajudar toda a família a lidar com o tratamento do glaucoma da criança.

Dessa forma, será possível usufruir das melhores terapias existentes e das melhores tecnologias no cuidado de crianças com glaucoma infantil.

Esteja sempre atento aos sinais de suas crianças

Crianças pequenas precisam ver o médico mais vezes que os adultos, porque os olhos ainda estão em processo de desenvolvimento. Por isso, é importante fazer consultas e exames frequentemente.

Além disso, esteja sempre atento aos sinais que seu filho apresenta nos olhos. Afinal, a criança normalmente não sabe se manifestar com exatidão ainda e qualquer queixa ou outro comportamento fora do comum pode ser sintoma de alguma condição ocular.

Contudo, é importante você cuidar dos seus próprios olhos também. Por isso, chegou o momento de você começar a era de cuidados oculares por si mesmo, já realizando o nosso teste de acuidade visual. 

Isso mesmo, nós da Lenscope desenvolvemos um teste de visão com tecnologia exclusiva para seu conforto e precisão. O melhor é que você pode realizar o teste em apenas 3 passos simples e rápido.

Realizar o teste de acuidade visual totalmente online e gratuito

glaucoma infantil - teste de visão

Mas e então, o que achou deste conteúdo? Diga pra gente nos comentários! Afinal, nós queremos saber sua opinião!

Fontes

Opticanet

Optometrytimes

Dukehealth

Aapos

Entokey

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lenscope

Somos uma Health Tech que faz uso do que há de mais moderno na tecnologia para transformar a jornada de compra de lentes para óculos no Brasil. Com nosso serviço 100% online, você faz as lentes do seu óculos de grau pela internet, sem precisar sair de casa.

E, para nos ajudar a continuar desenvolver tecnologias exclusivas no Brasil e no Mundo, fomos selecionados para o programa Creative Startups da Samsung, além de fazer parte do Eretz.bio, incubadora de startups do Hospital Israelita Albert Einstein, considerado um dos melhores hospitais da América Latina. Também fazemos parte da Supera, incubadora da Universidade de São Paulo (USP/FM-RP) e do Cubo Itaú, um dos principais ecossistemas de startups do Brasil.

Conte com a gente para ver e se sentir bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *