parkinson

Parkinson: teste de visão simples pode prever a demência antes de começar

0
(0)

Estudo feito por pesquisadores da UCL e publicado no Jornal Movement Disorders mostra que os testes simples de visão podem detectar o prejuízo cognitivo e a demência relacionados à doença de Parkinson 18 meses antes destes sintomas se desenvolverem. 

O que é a doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é uma distúrbio cerebral progressivo ligado ao sistema nervoso e que afeta os movimentos.

Os sintomas começam gradualmente. Às vezes começa com um tremor quase imperceptível em apenas uma das mãos e vão piorando com o passar do tempo.

Tremores são comuns, mas o distúrbio também costuma causar rigidez ou lentidão nos movimentos e até dificuldades para andar.

Nos estágios iniciais da doença de Parkinson, o rosto pode mostrar pouca ou nenhuma expressão. Além disso, os braços podem não balançar ao andar e a fala pode ficar suave ou arrastada.

E o estudo, feito por pesquisadores da UCL, evidencia que as mudanças da visão precedem a diminuição cognitiva que ocorre em muitas, mas não em todas as pessoas com Parkinson. 

Ainda, a mesma equipe de pesquisadores em um outro estudo, publicado na Communications Biology, descobriu que as conexões estruturais e funcionais de regiões do cérebro se tornam desacopladas com a doença de Parkinson.

Isso ocorre, principalmente, entre pessoas com problemas de visão.

Mas, afinal, o que os testes de visão simples dizem sobre esse distúrbio cerebral? Veja a seguir!

O que os testes de visão simples dizem sobre a doença de Parkinson

A demência é um aspecto comum e debilitante da doença de Parkinson, que afeta aproximadamente 50% das pessoas em até 10 anos após o diagnóstico da doença. 

Após o estudo publicado em Jornal Movement Disorders , envolvendo 77 pessoas com doença de Parkinson, os pesquisadores descobriram que testes simples de visão previram quem teria demência depois de um ano e meio. 

O estudo descobriu que aqueles que desenvolveram a doença de Parkinson tiveram perdas na fiação do cérebro, incluindo nas áreas em relação à visão e à memória.

Além disso, foram identificados danos na matéria branca responsável por conectar diversas áreas do cérebro. 

Os pesquisadores verificaram que a lesão atingia alguma fiação interurbana que conecta a parte dianteira à parte traseira do cérebro e que o ajuda a funcionar como uma rede inteira, coesiva.

A partir daí foram desenvolvidos métodos para analisar varreduras finamente detalhadas de MRI, permitindo, assim, estagnar o dano à matéria branca do cérebro.

Resultados do segundo estudo publicado na Communications Biology

Um segundo estudo, publicado na Communications Biology, contou com 88 pessoas com a doença de Parkinson. Dos participantes do estudo, 33 tinham deficiência orgânica visual e 30 eram adultos saudáveis.

Este estudo permitiu observar que, no cérebro saudável, há uma correlação entre o quão forte são as conexões (físicas) estruturais entre duas regiões. Além do quanto aquelas duas regiões são conectadas funcionalmente. 

Há algum grau de desacoplagem no cérebro saudável, particularmente nas áreas envolvidas no processamento de ordem superior, que fornece a flexibilidade e permite o raciocínio abstrato.

Porém, a desacoplagem em demasia parece estar ligada aos resultados deficientes. 

Além disso, os pesquisadores identificaram que pessoas com doença de Parkinson exibiram um grau mais alto de desacoplagem por todo o cérebro.

Já os pacientes de Parkinson com deficiência orgânica visual, tiveram desacoplagem em algumas regiões do cérebro. Particularmente em regiões relacionadas à memória, no lóbulo temporal.

Portanto, os estudos publicados no  Jornal Movement Disorders e em Communications Biology, juntos, mostram como as perdas e mudanças na fiação do cérebro estão relacionadas ao prejuízo cognitivo experimentado por quem tem a doença de Parkinson.

O que os pesquisadores concluiram

“Nós encontramos que os povos com doença de Parkinson que têm problemas visuais são mais prováveis obter a demência, e aquela parece ser explicada sendo a base de mudanças a sua fiação do cérebro”.  “Os testes da visão puderam fornecer-nos uma oportunidade para prever a demência de Parkinson antes que comece, que pode nos ajudar a encontrar maneiras de parar a diminuição cognitiva antes que esteja demasiado atrasada.” – Dr. Angeliki Zarkali, autor principal do centro de pesquisa de demência, de UCL Queen Square Institute of Neurology.

Da mesma forma, a equipe de investigação encontrou mudanças nos níveis de alguns neurotransmissores (mensageiros químicos) em pessoas com risco de diminuição cognitiva.

Estas mudanças sugerem que os receptores para aqueles transmissores pudessem ser alvos potenciais para novos tratamentos com a droga para a doença de Parkinson. 

O Dr. Angeliki disse:

“Os dois papéis ajudam-nos junto a compreender o que está indo sobre nos cérebros dos povos com Parkinson que experimentam a diminuição cognitiva, porque parece ser conduzida por uma divisão na fiação que conecta regiões diferentes do cérebro.” 

A Dr. Rimona Weil do Instituto da Neurologia UCL Queen Square, autora sênior de ambos os artigos, disse:

 “Nossos resultados poderiam ser valiosos para ensaios clínicos, mostrando que os testes da visão podem nos ajudar a identificar quem nós devemos visar para experimentações das drogas novas que puderam poder retardar Parkinson. E finalmente se os tratamentos eficazes são encontrados, a seguir estes testes simples podem ajudar-nos a identificar quem tirará proveito de que tratamentos.”

Um simples teste de visão nos diz, previamente, se uma pessoa com doença de Parkinson desenvolverá comprometimento cognitivo e uma possível demência. Isso pode ajudar a encontrar maneiras de parar o declínio cognitivo antes que seja tarde demais.

Sinais iniciais da doença de Parkinson

A doença de Parkinson é um distúrbio do sistema nervoso que afeta os movimentos e causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, além de alterações na fala e na escrita. 

O Parkinson atinge cerca de 1% das pessoas com 65 anos ou mais. Os sintomas geralmente se desenvolvem lentamente ao longo de vários anos. Eles podem ser sutis no início. Por isso, os primeiros sinais são fáceis de ignorar. 

Apesar de os sintomas característicos da doença de Parkinson serem tremores e movimentos lentos e rígidos, pequenas mudanças nos movimentos e no comportamento de uma pessoa podem sinalizar o início do distúrbio antes do diagnóstico. 

É importante saber que, se alguém notar sintomas da doença de Parkinson, deve entrar em contato com um médico para obter mais informações. O tratamento precoce pode melhorar o resultado a longo prazo. 

Por isso, separamos 13 sinais iniciais da doença de Parkinson que devem ser observados cuidadosamente.

1 – Tremores

Muitos profissionais de saúde consideram os tremores um sinal característico da doença de Parkinson.

Os tremores envolvem espasmos ou tremores persistentes das mãos, pernas ou queixo e são muito sutis quando aparecem pela primeira vez. Nesse estágio, a pessoa que apresenta o sintoma, geralmente, é a única que o percebe.

Os tremores associados à doença de Parkinson são chamados de “tremores de repouso”. Isso significa que os tremores param quando a pessoa usa a parte afetada do corpo.

Porém, os sintomas pioram gradualmente à medida que a doença progride. Os tremores geralmente aparecem em um lado do corpo e depois se espalham para outras regiões.

2. Dificuldade em caminhar

Alguém que tem a doença de Parkinson pode andar devagar ou arrastar os pés enquanto caminha, mas isso não ocorre do dia para a noite.

As mudanças no padrão de caminhada da pessoa vão acontecendo de forma sutil e podem ser um sinal precoce da doença de Parkinson. 

Muitos se referem a isso como uma “marcha arrastada”. A pessoa pode caminhar em um ritmo irregular, caminhando repentinamente mais rápido ou mais devagar ou mudando o comprimento de sua passada. 

3. Escrita à mão apertada ou pequena

A micrografia é um distúrbio que envolve uma caligrafia anormalmente pequena ou apertada. Os médicos associam a micrografia a condições médicas que afetam o sistema nervoso ou distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Parkinson. 

4. Perda de cheiro

A hiposmia ocorre quando alguém perde a capacidade de cheirar. Isso também é chamado de disfunção olfatória. 

A perda do olfato é um sintoma relativamente comum, afetando 70-90 por cento das pessoas com doença de Parkinson. Além de ser um dos sintomas mais perceptíveis da doença de Parkinson que não está relacionado ao movimento. 

A hiposmia pode surgir vários anos antes de a doença afetar os movimentos. Pessoas que têm hiposmia como sintoma da doença de Parkinson podem ter um sentido de cheiro embotado e dificuldades para identificar e dizer a diferença entre odores.

Os médicos usam testes de identificação de cheiro para diagnosticar a hiposmia, mas a precisão desses testes varia muito. 

No entanto, ter hiposmia nem sempre significa que alguém tem doença de Parkinson. O olfato de uma pessoa pode mudar por vários motivos, como idade, tabagismo ou exposição a produtos químicos agressivos.

A hiposmia também é um sintoma de outras condições médicas, incluindo a doença de Alzheimer e a doença de Huntington. 

5. Problemas de sono

Uma pessoa nos estágios iniciais do Parkinson pode ter uma série de problemas de sono. Pois, há uma ampla gama de sintomas relacionados ao sono, incluindo: insônia fadiga excessiva diurna, narcolepsia, apnéia do sono, pesadelos, movimentos descontrolados ou esporádicos durante o sono 

6. Baixo equilíbrio

A doença de Parkinson tem como alvo específico as células nervosas chamadas gânglios basais, que residem nas profundezas do cérebro. Os nervos dos gânglios basais controlam o equilíbrio e a flexibilidade, portanto, qualquer dano a esses nervos pode prejudicar o equilíbrio de uma pessoa. 

7. Bradicinesia

Bradicinesia é um termo que significa lentidão ou ausência de movimento. A bradicinesia causa vários sintomas, como rigidez dos membros e movimentos lentos. 

Uma pessoa com bradicinesia pode andar mais devagar ou ter dificuldade para iniciar um movimento. Algumas pessoas que apresentam esse sintoma podem interpretá-lo erroneamente como fraqueza muscular.

No entanto, esse sintoma não afeta a força muscular. 

8. Máscara facial

As expressões faciais envolvem muitos movimentos musculares sutis e complexos. Pessoas com doença de Parkinson geralmente têm uma capacidade reduzida de fazer expressões faciais. Isso é chamado de máscara facial e está relacionado à bradicinesia. 

Os músculos faciais se movem mais lenta ou rapidamente do que o normal. Pessoas com máscara facial podem parecer vazias ou sem emoção, embora sua capacidade de sentir emoções não seja prejudicada. 

O mascaramento facial também pode fazer com que alguém pisque os olhos mais lentamente. Uma pessoa com máscara facial pode ter dificuldade em se comunicar com outras pessoas porque as mudanças em suas expressões faciais são menos perceptíveis do que o normal. 

9. Mudanças vocais

Mudanças no volume e na qualidade da voz de uma pessoa é outro sinal precoce da doença de Parkinson.

As mudanças vocais podem envolver falar em um tom mais suave ou começar a falar em um volume normal. Após um tempo a voz se torna mais suave ou desaparece.

Em outros casos, uma pessoa pode perder a variação normal no volume e tom de sua voz, de modo que a voz parece monótona.

10. Postura inclinada ou curvada

Pessoas com doença de Parkinson podem notar mudanças em sua postura devido a outros sintomas da doença, como rigidez muscular.

As pessoas se levantam naturalmente de modo que seu peso seja distribuído uniformemente sobre os pés.

No entanto, as pessoas com doença de Parkinson podem começar a se inclinar para a frente, fazendo com que pareçam encurvadas ou curvadas. 

11. Constipação

A constipação é um problema comum que pode ter uma ampla gama de causas. A constipação é um dos sintomas não motores mais comuns associados à doença de Parkinson. Quase 25% das pessoas com a doença sofrem constipação antes de desenvolverem sintomas motores. 

12. Sintomas psicológicos

Conversar com um terapeuta pode ajudar uma pessoa com Parkinson a lidar com as mudanças emocionais causadas pela doença. A doença de Parkinson pode afetar gravemente o bem-estar psicológico de uma pessoa. A doença reduz os níveis naturais de dopamina no corpo, o que pode causar mudanças no humor e no comportamento. 

Alguns sintomas psicológicos associados à doença de Parkinson incluem: depressão, ansiedade, psicose, demência, confusão, dificuldade em fazer planos ou se manter organizado. Além de capacidade reduzida de resolução de problemas 

13. Perda de peso

Pessoas com doença de Parkinson podem experimentar perda de peso leve a moderada por vários motivos. Tremores e outros sintomas motores associados ao Parkinson podem aumentar as necessidades naturais de energia do corpo.

Sintomas não motores, como perda do olfato, depressão ou problemas digestivos, podem fazer com que as pessoas comam menos. Resultando, assim, em perda de peso.

Fontes

Mayoclinic

Nia.nih

MedicalNewsToday

NeuroScienceNews

Dailymail.co.uk

News-medical.net

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lenscope

Somos uma Health Tech que faz uso do que há de mais moderno na tecnologia para transformar a jornada de compra de lentes para óculos no Brasil. Com nosso serviço 100% online, você faz as lentes do seu óculos de grau pela internet, sem precisar sair de casa.

E, para nos ajudar a continuar desenvolver tecnologias exclusivas no Brasil e no Mundo, fomos selecionados para o programa Creative Startups da Samsung, além de fazer parte do Eretz.bio, incubadora de startups do Hospital Israelita Albert Einstein, considerado um dos melhores hospitais da América Latina. Também fazemos parte da Supera, incubadora da Universidade de São Paulo (USP/FM-RP) e do Cubo Itaú, um dos principais ecossistemas de startups do Brasil.

Conte com a gente para ver e se sentir bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *