cloro no olho

Cloro no olho: cuidados com os químicos da piscina

5
(2)

Será que cloro no olho é prejudicial para a nossa visão? O principal objetivo do uso do cloro em piscinas e parques aquáticos, é mantê-los limpos e livres de contaminações. Mas, por outro lado, o cloro é um produto químico, que para nossos olhos pode causar irritação, ardência e inchaço.

Vamos falar do cloro presente na água da piscina, o que ele pode causar nos nossos olhos, como se prevenir e quais os cuidados.

Sinais comuns de infecções nos olhos:

Ficou curioso? Continue a leitura para saber quais os cuidados preventivos ao cloro da piscina, e quando procurar ajuda de um médico oftalmologista!

O cloro no olho no uso de piscinas

O objetivo principal no uso do cloro, é de manter a limpeza da água e evitar contaminações por vírus e bactérias. Porém, há alguns tipos de vírus como o adenovírus e olho-de-rosa que podem sobreviver na água. 

Eles são resistentes ao cloro, causando problemas nas superfícies dos olhos caso haja cortes ou irritações no local. Isso aumenta as chances de uma infecção ocular. Mas, é normal que após passar um tempo na piscina, nossos olhos fiquem vermelhos, lacrimejantes e sensíveis a luz por um certo tempo.

Entretanto, caso esses sintomas permaneçam por um longo período de horas, sem melhoras, é preciso procurar a ajuda de um profissional. Usar óculos de natação ajuda a reduzir a exposição dos olhos ao cloro da piscina. Caso você sinta dor ou incômodo, lave seus olhos com muita água limpa e fria.

Se você tiver acabado de fazer uma cirurgia nos olhos, não entre em piscinas por pelo menos duas semanas.

Cloro no olho causa cegueira?

Não existe comprovação de que o contato do cloro com os olhos possa causar danos permanentes para a visão. Mas, quando o cloro da água entra em contato com os olhos, o produto retira a proteção da córnea (filme lacrimal). Portanto, deixando-o vulnerável às bactérias da água.

Para evitar problemas maiores, evite entrar na piscina com suas lentes de contato, e não abra os olhos durante o mergulho.  Se possível, utilize óculos de mergulhador, porque isso evitará o contato direto com cloro, reduzindo possíveis infecções oculares.

Possíveis danos ligados ao cloro no olho

Nos olhos há uma película lacrimal nas córneas, que protege contra os germes e sujeiras externas.

Essa película protetora é retirada quando entra em contato com a água clorada da piscina, causando infecções e problemas oculares como:

  • Conjuntivite

Essa infecção é causada por bactérias ou vírus que vivem na água, a conjuntivite causa irritação e coceira nos olhos, vermelhidão intensa e crostas.

  • Vermelhidão nos olhos

O cloro desidrata os olhos, isso causa embaçamento da visão e as vezes visão distorcida, mas geralmente dura poucas horas.

Esta vermelhidão ocorre quando os vasos sanguíneos próximos à superfície do olho aumentam e se dilatam.

  • Ceratite acantamebíase

A ameba é um organismo composto por uma única célula que vive na água, como um parasita.  Isso significa que as piscinas são o cenário ideal para elas se reproduzirem.

Caso você vá nadar com as lentes de contato, existe o risco de pegar ceratite acantamóbica, pois, a bactéria pode ficar presa entre as córneas e as lentes.

Isso pode ocasionar úlceras da córnea prejudicando permanentemente a visão e causando infecções graves. 

No pior dos casos, pode ser até necessário um transplante de córnea para a recuperação da visão.

Não só o cloro na água oferece riscos: piscinas x lagos 

A água doce em lagos ou lagoas, pode conter bactérias e outros organismos, como a Ceratite acanthamoeba, que causa uma infecção rara e de difícil tratamento. Este organismo também é preeminente em água de poço, ou seja, água de rio, lagos e lagoas.

Essa infecção é comum em quem usa lentes de contato, o organismo se aloca entre a lente e a córnea, causando infecção, caso tenham cortes ou irritações nos olhos. A melhor forma de evitá-la, é lavar e secar bem as mãos antes de colocar as lentes.

O tratamento pode ser feito através de medicamentos para os olhos como colírios, porém, se não tratada a tempo, pode causar deficiência visual e até cegueira. O risco existe, mas a cegueira raramente ocorre, sendo apenas cerca de 33 casos por milhão de usuários de lentes de contato.

A ciência por trás do cloro para água

Um dos principais motivos da irritação nos olhos após um mergulho na piscina, é o nível do pH da água. O nível normal de pH é 7, ou seja, um pH neutro. Abaixo de 7, indica um nível mais ácido, e valores acima, apontam níveis alcalinos.  

Um pH ideal deve ser entre 7,2 e 7,8, desta forma, o número de bactérias presentes é bem baixo. Já o cloro da piscina precisa ter um pH de 6,5, o que garante 100% de eficácia contra as bactérias. Por outro lado, um pH de 6,5 é bem ácido para a nossa pele, portanto, a recomendação é que esteja entre 7,2 e 7,8. Por esse motivo o cloro não consegue decompor 100% os germes, gorduras e óleos na água.

São estes compostos não totalmente degradados na água que contribuem para as infecções e irritações nos olhos.  A água salgada é considerada uma opção mais natural do que a água clorada, pois é mais segura para nossa pele, cabelos e olhos.

Ao invés do uso de pastilhas de cloro ou outros produtos químicos mais fortes, as piscinas de água salgada dependem exclusivamente do sal para se manterem limpas.

Mas, o cloro é um subproduto do sal, ou seja, mesmo em uma piscina de água salgada, ainda se encontra a presença de cloro.  A água salgada não causa irritação ou inchaço nas córneas como acontece frequentemente com a água clorada. Isso ocorre porque a concentração de água nos olhos é bem semelhante à água do mar, portanto, é mais suave do que produtos químicos como o cloro.

Primeiros socorros em casos de cloro no olho

Caso você tenha contato com o cloro da piscina nos olhos, siga os passos abaixo:

  • Lave seus olhos com água morna e limpa por pelo menos 20 minutos, ou entre rapidamente no chuveiro, mantendo os olhos bem abertos debaixo da água;
  • Lave bem as mãos com água e sabão, e garanta que nenhum produto químico ou sabão ficou sobre elas;
  • Não esfregue seus olhos, isso pode irritar e agravar ainda mais a situação;
  • Utilize apenas água limpa para a lavagem ou soro fisiológico no caso de lentes de contato. 
  • Use óculos escuros com proteção solar para a redução da sensibilidade à luz. Não use colírios sem prescrição médica.

Se a irritação ou infecção ocular permanecer mesmo após estes passos, procure por um pronto socorro próximo e peça a ajuda de um oftalmologista.

O cuidado preventivo ao adentrar piscinas é muito importante para evitar infecções oculares. Nunca fique de olhos abertos embaixo da água clorada, retire suas lentes de contato e se possível, use soro fisiológico ou colírio prescritos por um médico.

Aproveite e faça o seu teste de visão online e 100% gratuito, e descubra como está a sua visão! Agora que você sabe tudo sobre o que o contato do cloro com os olhos, comente o que achou deste artigo e se você já passou por esse problema em piscinas.

Fontes:

Health.clevelandclinic

Optimax

Texomapools

Mayoclinic

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lenscope

Somos uma Health Tech que faz uso do que há de mais moderno na tecnologia para transformar a jornada de compra de lentes para óculos no Brasil. Com nosso serviço 100% online, você faz as lentes do seu óculos de grau pela internet, sem precisar sair de casa.

E, para nos ajudar a continuar desenvolver tecnologias exclusivas no Brasil e no Mundo, fomos selecionados para o programa Creative Startups da Samsung, além de fazer parte do Eretz.bio, incubadora de startups do Hospital Israelita Albert Einstein, considerado um dos melhores hospitais da América Latina. Também fazemos parte da Supera, incubadora da Universidade de São Paulo (USP/FM-RP) e do Cubo Itaú, um dos principais ecossistemas de startups do Brasil.

Conte com a gente para ver e se sentir bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *