diplopia

Diplopia (visão dupla): O que é, causas e como tratar

Este post foi atualizado em 18 maio, 2021

Na diplopia, também chamada de visão dupla, vemos duas imagens para um único objeto. Trata-se de um sintoma que indica a existência de uma condição ou doença que deve ser diagnosticada e tratada.

A visão dupla pode ocorrer em um dos olhos ou em ambos os olhos. Dessa forma, se estiver presente apenas em um dos olhos quando o outro está fechado, a situação, embora séria, é usualmente menos preocupante. Entretanto, se ocorre quando ambos os olhos estão abertos, pode ser sinal de um distúrbio mais severo. Por isso, a importância de ficar atento e prestar atenção aos sinais e sintomas.

Como identificar a visão dupla?

Há dois tipos de diplopia: a monocular e a binocular. Você pode identificar o seu tipo de diplopia através de um teste simples. Quando observar objetos duplicados, cubra um de seus olhos de cada vez. Se a visão dupla desaparecer quando você cobrir algum de seus olhos, você tem diplopia binocular.

De forma diferente, na diplopia monocular, a visão dupla se mantém mesmo quando um dos olhos é ocluído. Uma vez identificado o tipo de visão dupla, pode-se partir para a investigação da causa.

Sintomas

A visão dupla, ou diplopia, pode ocorrer sem outros sintomas associados. Entretanto, dependendo da causa, podem ser identificados sintomas como:

Causas

As causas para a diplopia variam de acordo com o tipo de diplopia: monocular ou binocular. Veja, então, as principais causas a seguir:

Causas da visão dupla em um dos olhos (diplopia monocular)

A visão dupla monocular é decorrente de um problema em um dos olhos e é menos comum que a visão dupla binocular. Na maioria dos casos, uma das imagens está muito nítida enquanto a outra permanece desbotada ou opaca.

Detalhamos algumas das principais causas a seguir:

  • Astigmatismo avançado: a curvatura irregular da córnea pode causar visão embaçada e visão dupla.
  • Ceratocone: é uma alteração no formato da córnea (parte frontal do olho), que toma um formato semelhante a um cone. Esta protuberância, portanto, pode causar visão dupla, ou visão embaçada. Além de hipersensibilidade à luz. Cicatrizes ou edema (inchaço) da córnea, também podem causar mudanças na visão.
  • Catarata: a lente natural que existe em nossos olhos é normalmente transparente. Com o passar dos anos, no entanto, esta lente perde a transparência naturalmente, adquirindo uma tonalidade amarelada, recebendo o nome de catarata. Este processo pode causar redução da visão e, em alguns casos, visão dupla. Ainda, problemas relacionados à posição ou formato da lente também podem causar diplopia.
  • Olhos secos: nossos olhos continuamente produzem fluidos (lágrima) com a finalidade de lubrificação. Esses fluidos tornam mais fáceis atividades simples como piscar ou mesmo virar os olhos. Se não há lubrificação suficiente, podemos sentir irritação, coceira, uma sensação pungente e perda de qualidade de visão que pode causar diplopia.
  • Pterígio: conhecido popularmente como “carne crescida” no olho, o pterígio é caracterizado pelo aparecimento de uma “membrana” que cresce sobre o tecido transparente que recobre internamente as pálpebras e o globo ocular. Esse tecido é chamado de conjuntiva. Este crescimento é benigno e tem relação com exposição aos raios ultravioleta do sol. Em alguns casos pode causar visão dupla caso cresça sobre a córnea, causando irregularidades superficiais.

Causas da visão dupla em ambos os olhos (diplopia binocular)

A visão dupla binocular ocorre quando ambos os olhos estão desalinhados e não estão trabalhando conjuntamente. Dessa forma, pessoas com este tipo de visão dupla relatam que as duas imagens podem ser vistas de forma igualmente clara.

Detalhamos abaixo algumas das principais causas de diplopia binocular:

  • Existem nervos extremamente delicados e que são responsáveis pelo funcionamento dos músculos extraoculares. Qualquer inflamação ou dano a esses nervos pode ocasionar visão dupla.
  • Diabetes: a diabetes mal controlada pode causar lesão nos nervos cranianos, sendo uma causa bastante comum de diplopia.
  • Miastenia gravis: esta condição autoimune afeta a comunicação entre nervos e músculos em todo o corpo. Nos olhos, pode levar a um esgotamento prematuro do músculo. Dessa forma, essa fraqueza nos músculos dos olhos pode levar a visão dupla.
  • Doença de Graves: esta doença autoimune é consequência da hiperatividade da glândula tireóide (hipertireoidismo). Cerca de 30% das pessoas com esta condição desenvolve algum tipo de problema de visão.
  • Estrabismo: O estrabismo é uma condição que afeta 4% das crianças até 6 anos de idade e é caracterizado pela falta de alinhamento entre os olhos. Dessa forma, os músculos oculares não conseguem trabalhar em conjunto e esta falta de sinergia pode resultar em vários problemas de visão, inclusive em uma perda visual irreversível e permanente. Por isso, o estrabismo em crianças deve ser acompanhado por um especialista a partir dos 6 meses de idade ou assim que for detectado

Visão dupla temporária

A diplopia pode ser às vezes temporária. Nesses casos, ingestão de álcool, benzodiazepínicos, opióides ou certos medicamentos para convulsões e epilepsia podem levar à visão dupla. Além disso, ferimentos na cabeça, como concussões, podem levar a diplopia temporariamente. Estafa, situações de extremo cansaço ou tensão nos olhos podem também ocasionar este fenômeno.

A visão deve, portanto, retornar ao normal em pouco tempo. Caso isso não aconteça, deve-se procurar ajuda médica.

Diagnóstico de diplopia

A visão dupla pode ter causas tão simples quanto astigmatismo ou causas tão complexas quanto uma lesão em um nervo craniano. Essa variedade de causas faz com que seja desafiador chegar a um diagnóstico preciso.

Diagnóstico de visão dupla em crianças

Como as crianças nem sempre conseguem expressar o que elas vêem com objetividade, o diagnóstico pode ser mais difícil. Uma criança pode apresentar diplopia se exibir os seguintes sinais:

  • Apertar os olhos para enxergar;
  • Cobrir um dos olhos com uma suas mãos;
  • Inclinar ou girar sua cabeça de forma estranha;
  • Olhar para objetos em um ângulo (de lado) ao invés de encará-los frontalmente;
  • Jogar os olhos de um lado para o outro, entre imagens.

Diplopia tem cura?

A visão dupla, tanto monocular quanto binocular, pode ter diferentes causas. Em ambos os casos, há inúmeros tratamentos para a diplopia.

Tratamentos

O tratamento de visão dupla depende da origem da condição. No caso de diplopia monocular, os tratamentos podem ser os seguintes:

  • Se causada por astigmatismo, lentes corretivas ou lentes de contato podem compensar a curvatura anormal da córnea. Além de corrigir a passagem de luz para os olhos. Cirurgia a laser é outra opção. Nesse caso, o tratamento envolve remodelar o formato da córnea com laser.
  • Se causada por catarata, uma cirurgia normalmente é a melhor opção. O procedimento cirúrgico corrige a visão turva, típica da catarata, e que causa a visão dupla. 
  • Se causada por olhos secos, em casos de deficiência na produção da lágrima ou evaporação muito rápida, o uso de colírios lubrificantes pode aliviar os sintomas.

Tratamentos para diplopia binocular incluem:

  • Uso de óculos;
  • Exercícios oculares;
  • Uso de lentes de contato opacas;
  • Injeções de Botox nos músculos oculares;
  • Uso de tampão em um dos olhos;
  • Cirurgia nos músculos dos olhos para correção da sua posição.

Para crianças com estrabismos, o tratamento inclui o uso de óculos de grau, óculos com prismas, oclusão temporária de um dos olhos, ou mesmo cirurgia.

A visão dupla causada por um problema neurológico ou outra doença pode melhorar com o tratamento da doença. 

Prevenção

Para prevenir a condição, é preciso se atentar à prevenção e acompanhamento adequado de causa da visão dupla. Por exemplo, no caso de diplopia monocular, a devida correção ou tratamento do astigmatismo, da catarata ou dos olhos secos, podem prevenir um quadro de diplopia.

E no caso de diplopia binocular, o devido controle da diabetes, correção do estrabismo ou, em casos mais sérios, o tratamento de danos neurológicos, pode mitigar a visão dupla. Dessa forma, o mais importante é sempre buscar o auxílio de um profissional de saúde de sua confiança.

Fontes

WebMD

Health Harvard

Medical News Today

Healthline

American Academy of Ophthalmology



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dra. Ana Laura de Araujo Moura

Dra. Ana Laura de Araujo Moura – CRM 103829-SP é médica oftalmologista, com especialização em Neuroftalmologia, Doutorado e Pós Doutorado em Neurociências e Comportamento, pela Universidade de São Paulo (USP). Durante seu doutorado, desenvolveu pesquisas na área de neurofisiologia visual na Columbia University, em Nova Iorque. Em seu consultório realiza consultas oftalmológicas de rotina em adultos e crianças, atende pacientes com doenças neurológicas que afetam a visão, além de acompanhar o desenvolvimento visual em crianças.

Pin It on Pinterest